terça-feira, 12 de fevereiro de 2013

A ARTE DE PÔR AS MÃOS NO BOLSO

Arte de Kurt Schwitters

Sensualidade é elegância. Temos como parâmetro afrodisíaco a mulher que usa vestido, decote, que mostra as virilhas e os seios. É a imagem praiana, tropical, sestrosa. A clássica cena latina, da modelo voluptuosa, transbordante, oferecida, rebolando sem parar e, claro, de bunda avantajada.
 
Não é isso que me interessa. Chupar os dedos e descruzar as pernas tampouco paralisam meu olhar.
 
Também nunca fui fã da garota de Ipanema, ela não saiu da infância do sexo.
 
A discrição é que me excita. A discrição que é selvagem. A discrição é que oculta os poderes intuitivos. Um verdadeiro animal não se entrega de primeira.
 
Nada mais elegante (e sexy) do que uma mulher com calça de alfaiataria, de algodão, com corte apropriado e honesto.
 
É na calça que ela vai demonstrar toda sua cultura, temperamento e domínio de lugar.
 
É na hora de colocar as mãos no bolso.
 
Mulher que sabe colocar as mãos no bolso me desconcerta e me alucina.
 
Tem vocação de imperatriz. Não teme a masculinidade do traje. Não é afetada, não precisa apelar para a roupa colada, não promove nenhuma exibição gratuita das coxas.
 
A sobriedade é ainda um concurso insuperável de beleza. Ser bonita de saia é fácil. Vá colocar uma calça e atrair a rapaziada para compreender o que é empatia da pele.
 
Eu me apaixono na hora. Entrego o carro como entrada de apartamento, largo a estrada pela varanda.
 
Além de manter o mistério, ela venceu o maior desafio da aparência: pôr as mãos no bolso e não transpirar timidez, desconforto e confusão.
 
O bolso representa um desafio de intimidade. Uma prova de autenticidade.
 
É como preparar arroz. É simples, mas a maioria erra o ponto.
 
Eu até hoje não tenho prática. Amontoo os dedos, não relaxo, mexo as chaves, jogo um fla-flu com as moedas, coço o saco, fico tenso e ridículo. Quem me olha jura que faço pose, beiço, chantagem ou – pior – que estou apertado.
 
Mulheres que conseguem colocar belamente as mãos no bolso são decididas, transam maravilhosamente, não têm vergonha do corpo e do amor.
 
Não serão fantoches do trabalho, ou dos clichês.
 
O bolso é uma luva, o bolso é uma bolsinha de festa, o bolso é o avesso do mundo.
 
É previsível – não duvide – que elas vão terminar colocando seu homem no bolso.
 



Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, p. 2, 12/02/2013
Porto Alegre (RS), Edição N° 17341

23 comentários:

Iris disse...

Não gostei mesmo.Vc não deveria estar inspirado, faltou tema, persuasão, sabe quando "nda a ver"?

Nicéia Wunsch disse...

Adorei...
Mostra que a mulher não é só corpo bonito, precisa ter muito mais que isso para mostrar personalidade.
Parabéns

Anônimo disse...

Eu curti :D

Anônimo disse...

Amei Fabricio! Descreveu perfeitamente a sensualidade verdadeira, não aquela inupta, descarada, que só atrai os garotos, não os HOMENS. Você escreve inteligentemente bem, sou sua fã!

J. disse...

Se a essência estava nas entrelinhas, captei-a! :-) Adorei! Parabéns!

Beto disse...

Gostei. Só acho q vc deveria parar no "É como preparar arroz. É simples, mas a maioria erra o ponto".

Razão Intrínseca disse...

Descrevendo aparência para extirpar a essência, perfeito!

Aline. disse...

Perfeito !

Faltava alguém admirar e enxergar essa confiança e sensualidade da mulher que põe as mãos no bolso.

Gustavo Salazar disse...

Magnífico... como sempre!

Paulyelson Cezar disse...

Nossa!!! A mão no bolso,é os amantes amando em segredo ...Parabéns,este é o cara...é o verdadeiro olha de poeta,ver o simples.

Maristela Guedes disse...

Perfeito mesmo!!

Eva Lavezzo disse...

Ótimo. Muito inteligente. Por outro lado o homem com it é aquele que tem um misto de masculinidade e feminilidade ao mesmo tempo. Qualquer roupa lhe cai bem. Todo gesto tem naturalidade.

joice pacheco disse...

Amei!

Isabel Ayala disse...

Diga-me: Onde colocas as mãos? ...
Então, te direi quem és!

Olha...
Não consigo colocar as mãos no bolso, com o charme à altura de seus desejos...pois uma baixinha de perna grossa pode não ficar tão elegante, com a(s) mão(s) no bolso pra você. Mas, eu sou uma pessoa muito legal e dona de todos esses elogios aí. Jura! hehehehee Te adoro, Fabrício.

Acasias disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Acasias disse...

Ai meu poeta como é bom saber a forma que vê nos mulheres...que mesmo vestidas de camisa não se perde a femilinidade,óbvio de quem a tem

Anônimo disse...

se um texto vale pela sua capacidade de gerar comentários, vou premiar :) gostei

Jarina Cecconello disse...

GOSTEI MESMO! Acho que não faltou nada! Concordo plenamente com minha amiga Nicéia Wunsch, mulher bonita está muito além de corpo bonito, e acrescento: mulher bonita é muito mais do que um estereótipo de beleza ou de moda, e é aí que entra muito bem a citação da calça de alfaiataria, pois vejo como um exemplo para descrever a sensualidade verdadeira, que é aquela que não precisa ser apelativa.

;-) disse...

Rá! Eu coloco as mãos no bolso como ninguém! E tenho umas calças de alfaiataria que vou te contar, viu. ;)

Rita disse...

Primoroso! Acho o máximo homens que conseguem ter esse olhar. Enxergar aquilo que não tem o intuito da exibição, como uma vitrine de neon. É gratificante saber que nem todos os homens estão interessados nas embalagens a vácuo...

Mayra Guimarães disse...

Perfeito! AMEI!

Você olha a mulher "além" do corpo, da beleza efêmera...

Como sempre, você me surpreende... E me faz desejar sempre mais que os homens sejam mais inteligentes, perspicazes e sutis como você!

Sou sua fã! Declarada e assumida!

Anônimo disse...

Gostei da mão no bolso.Da elegancia das mãos.Lindo...Sua esposa tem mãos bonitas???

Anônimo disse...

Legal Carpi.Me consola.Minhas mãos são bonitas e tenho uma certa elegãncia discreta.nNão sou feia,mas nunca chamei muito a atenção.Achei que faltava a micro-saia.Carmen