quarta-feira, 16 de janeiro de 2013

SÍNDROME DA MEIA-BOMBA

Arte de Eduardo Nasi
 
Homem tem medo de iniciar a transa sem estar rijo.

Precisa endurecer antes de tirar a calça, senão enrola e disfarça com beijos e tangos. Desconfio que ele criou o tango para acobertar a ausência momentânea de ereção e ganhar tempo. Pernas pra lá, pernas pro ar, são passos cênicos que ocultam sua fragilidade.
 
Não estou mentindo: o macho traz uma timidez assustadora no corpo.

O pânico de broxar regra sua vida.

Tente apalpá-lo com o membro descansando. Ele rejeitará o gesto. Afastará carinhosamente sua mão. Não imagino atitude diferente. É da raça se mostrar só alerta.

A dificuldade masculina com a preliminar descende do conteúdo à mostra.

Homem sofre do receio de não levantar sob pressão. De não corresponder às expectativas quando observado.

É como escrever com alguém olhando por cima dos ombros. É como cantar com alguém cronometrando o tempo.

É uma fobia boba, mas real e determinante.

O macho parte à refrega com a arma engatilhada, tomado do cheiro de pólvora. Antes não se arrisca. Não abre o zíper. Não desabotoa a camisa.

Sexo é certeza para o homem.  Objetividade. Matemática.

Evita qualquer ameaça de atentado. Cerca o terreno com antecedência para se entregar. Abomina a possibilidade de falhar e sacrificar a reputação.

Na cama, não se encaixa no perfil contemplativo e lírico, não fica à vontade nu e exposto, teme que a paciência da sedução produza apenas sono.

Mergulha numa prevenção infantil, extremista, de duelo de faroeste: ou vai pronto ou nunca.

Sua estratégia é se excitar sozinho, mentalmente, e partir direto ao ataque. Anseia pela penetração para se livrar do fantasma e relaxar.

Nem percebe que estraga o sonho erótico feminino.

A mulher deseja encontrá-lo murcho. É sua tara, sua vontade sigilosa, a suprema glória.

Vê-lo em repouso e ser a única responsável pela excitação.

Não ter dúvida de que é ela que o provoca. Não ter nenhuma desconfiança de que é ela que o tira do sério.

Quando o membro aparece pronto ao combate, existe a hipótese dele fantasiar com outras.
 
Já quando surge brando e ameno, a mulher se envaidece da própria sensualidade, arrepia-se por produzir o efeito vulcânico, ganha confiança para o arrebatamento.

Ainda mais se ele cresce, pouco a pouco, dentro dela.
 





Crônica publicada no site Vida Breve
Colunista de quarta-feira
 

18 comentários:

Geizimara Bergo. disse...

Incrível e verdadeiro!

ana disse...

É verdade. Um penis murcho é a coisa mais gostosa do mundo.

jupyhollanda disse...

Muito lindo o texto. Me lembrou um belo poema de Maria Rezende:

Adoro pau mole

Adoro pau mole.
Assim mesmo.
Não bebo mate
não gosto de água de coco
não ando de bicicleta
não vi ET
e a-d-o-r-o pau mole.

Adoro pau mole
pelo que ele expõe de vulnerável e pelo que encerra de possibilidade.

Adoro pau mole
porque tocar um pressupõe a existência de uma intimidade e uma liberdade
que eu prezo e quero, sempre.

Porque ele é ícone do pós-sexo
(que é intrínseca e automaticamente
- ainda que talvez um pouco antecipadamente)
sempre um pré-sexo também.

Um pau mole é uma promessa de felicidade sussurrada baixinho ao pé do ouvido.

É dentro dele,
em toda a sua moleza sacudinte de massa de modelar,
que mora o pau duro e firme com que meu homem me come.

Anônimo disse...

Aprendi a gostar de ti! Teus comentarios sao simples e diretos, alem de certeiros sobre o que muitas vezes queremos conversar com o parceiro e nao sabemos como. . .e nao tenho medo em dizer que te amo!
Sejas sempre assim.
Muitos beijos e abracos, da tua fã, Ana Furst.

Anônimo disse...



Concordo !!! Saber que é vc que vai deixá-lo duro é excitante.

sidcley disse...

Inacreditável! Vc comenta de algo que para nós homens é tão particular, ao ponto de não ser assunto de roda de amigos e no entanto, consegue isso com maestria! Parabéns :)

Maicon Torely disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Maicon Torely disse...

Nada melhor do que deixar a mulher nos exitar... Isso contribui para o todo com perfeição, para que no fim, todos sitam-se de trabalho cumprido. Ótimo texto e isso ainda é uma realidade masculina, chegar pronto para o ataque e ter medo de se mostrar vulnerável.

Sidereus disse...

vivendo e aprendendo

Pollyanna Furtado disse...

Muito bom! Revelando o segredo dos homens!Parabéns!!!

Anônimo disse...

Muito Divertido o Blog.

Parabéns...

Voo Fácil Taxi Aereo

Anônimo disse...

Foi escrito por homem mesmo: A mulher deseja encontra-lo murcho?!? NUNCA!!!

Anônimo disse...

A mulher se decepciona quando põe a mão após as preliminares e o homem não está excitado, e adora quando o encontra já excitado. Conversa fiada esse negócio de mulher gostar de pau mole.

Anônimo disse...

E aí acreditar em quem?
Se a mulher for realmente assim, tudo se resolve.
Já encontrei mulheres que me disseram isso, mas é verdade?

Sibila Markis disse...

Eu adoro pegá-lo em estado de repouso, senti-lo avolumando-se em minha boca!! delicioso ver o tesão do meu homem aumentar, gosto de olhá-lo e perceber que meus estímulos são excitantes a tal ponto de deixá-lo louco... Adorei saber que existem homens que sabem como a mente misteriosa de uma mulher funciona... Muito bom!! adorei o texto!!

fabio dias disse...

Minha namorada prefere mil vezes me pegar em estado vulneravel, e me levar ao apice do prazer com seus estimulos. Doq ja me pegar pronto para o ataque...

Más tbm gosta de ser surpreendida, sendo lançada sobre a cama já com o penis ereto... Acredito q tudo vai do momento da mulher...
e eu amo os momentos da minha gata...
Belo texto...

Luis Freitas disse...

Fala por ti meu véio. Se a mulher me interessar fico de pau duro desde o amanhecer e não tem falha. Medo de broxar? Isso é para os fracos, se o pau não obedecer na hora azar, é só esperar um pouquinho que ele vem, a ereção depende de muitas questões físicas. Eu adoro que a mulher toque no meu pau murcho, isto é por uns 5 segundos.

Anônimo disse...

bom mesmo. um abraço.