quarta-feira, 2 de janeiro de 2013

SAUDADE DO SIMPLES

Arte de Eduardo Nasi  
 
O homem sempre é atrasado para amadurecer. Na escola, a menina anseia namorar e ele pensa unicamente em futebol. A menina de doze anos formou seu corpo e pisou na adolescência e o guri da mesma idade ainda está imberbe e não tem nenhum interesse em largar as briguinhas com os colegas.
 
Temos um retardo de três anos em relação ao time feminino.

Na vida adulta seguimos levando surra. A revolução sexual chegou muito antes para elas.

O macho agora que se deslumbrou em fazer sexo oral, por exemplo. É emblemática sua necessidade de posar como moderno. Não abdica da preliminar. Sua primeira atitude na transa é se dedicar a chupar sua parceira. Nem tirou a roupa e está chupando.

Cheio de boas intenções, ele se perde. Confunde o oral com maratona. A mulher ou dorme ou cansa de esperar a penetração.

Homem, quando busca agradar, exagera. E o exagero é broxante, pois ultrapassa a linha do prazer para desembocar na compaixão.

Obcecado em se tornar inesquecível, não equaciona o recado: a mulher não quer massagem, mas sexo.

Um dos seus erros é se ressentir do papai-mamãe. Acha que é um modelo antiquado, anacrônico, que lembra seus avós.

Adota variadas acrobacias, menos papai-mamãe. Para não ser acusado de conservador e machista, não desce mais da gangorra.

O homem vem sofrendo um medo tremendo de ser homem.

Um pouco mais e o papai-mamãe será extinto, injustamente.

É a posição mais romântica, mais sincera, mais transparente que existe.

É feita para quem ama de verdade.

O papai-mamãe é olhar nos olhos, é oferecer o peso do corpo, é confessar o pulmão.

São as pernas firmemente entrelaçadas. São os seios comprimidos no peito. São os braços estendidos em oferta.

Complica para qualquer um fingir orgasmo, complica para qualquer um fugir com a imaginação.

É o encaixe perfeito para arranhar as costas, morder o pescoço, cochichar aos ouvidos.

Movimento obsceno e messiânico, rude e suave.

No papai-mamãe, você pode ciscar um beijo enquanto o outro estiver gemendo, você pode observar o outro gozando, você pode segurar a mão para mostrar que não há desigualdade no grito.

Aliás, só no papai-mamãe as pessoas andam de mãos dadas também na cama.
 

 





Crônica publicada no site Vida Breve
Colunista de quarta-feira

20 comentários:

Anônimo disse...

Uau Fabrício!

Kizzy disse...

Não me canso de dizer que o Carpinejar é o MAXIMOOOO. Tenho med que outros estados roubem ele de nós hehehe.

Renato Sousa linhares disse...

O texto está perfeito,concordo com gênero, grau e número com cada palavra escrita.parabéns!

Cristiane Machado disse...

Quanta doçura nisso...

Lucimari Monteiro disse...

Como não se apaixonar pelas crônicas de Carpinejar? Impossível...

Camila Padilha disse...

Nossa, é sempre inspirador... parabéns e obrigada. Sempre...

ana disse...

Existe dois tipos de sexo, aquele com amor acima descrito e o sexo por sexo que nao tem nada a ver com o primeiro. Parabéns pelo texto.

Ana Paola disse...

Delícia de texto......

Lutrícia Monti disse...

Lindo!!

paulyelson disse...

parabéns carpinejar,o mais feliz é que um dias desses,eu conversando com minha namorada,perguntei a ela quanl possição ela preferia ou as mulheres em si,e ela respondeu dem pestanejar qu eera papai e mamãe...gostei muito da resposta que coincide com seu texto...e fico muito feliz em lê-lo.incasavelmente parabéns.

Paulyelson Cezar disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Paulyelson Cezar disse...

parabéns carpinejar,o mais feliz é que um dias desses,eu conversando com minha namorada,perguntei a ela quanl possição ela preferia ou as mulheres em si,e ela respondeu dem pestanejar qu eera papai e mamãe...gostei muito da resposta que coincide com seu texto...e fico muito feliz em lê-lo.incasavelmente parabéns.

Laura Rodrigues Lispector disse...

Perfeito!!
É engraçado como você descreve exatamente as situações, que acontecem com a gente...

Simplesmente perfeito!!

Um beijo!!!

Anônimo disse...

Os homens precisam conhecer e ler suas crônicas , enfeitam tanto e pecam na hora D

Claudia

Juliana Tavares disse...

Nossa...Com certeza, uma realidade deliciosa de se ler, um texto que mexe com a imaginação de qualquer amante das boas práticas rs. Parabéns!

Franco de Paula disse...

Que lindo! Descreveu de maneira poética aquilo que eu nunca conseguiria falar nem de qualquer jeito. Apaixonei no texto!

Lili Flautista disse...

Puxa, que texto maravilhoso! É tudo o que eu sinto quando estou com meu amado! A vida boa é simples,é a base, flertar com outras possibilidades é legal, mas olhar nos olhos e fazer desse jeito é manter encantamento!

Fabiola Poliana disse...

Um belo texto, muitas vezes inovar de mais pode fazer as coisas se perderem e nessa vida tem coisas que não precisam ser mudadas.. podemos agregar algumas coisas, mas mudar de mais pode fazer perder o sentido ou a graça.

Rafaela Queiroz disse...

Nossa... to encantada com tudo que vc escreve! parece que consegue traduzir tao facilmente os sentimentos mais inexolicaves, mesmo os mais simples!
perfeito!!!

Rafaela Queiroz disse...

Nossa... to encantada com tudo que vc escreve! parece que consegue traduzir, tao facilmente, os sentimentos mais inexplicaveis, mesmo os mais simples!
perfeito!!!