quarta-feira, 23 de janeiro de 2013

O GRANDE MOTIVO

Arte de Allen Jones

Tenho amigas lindas, inteligentes, divertidas e independentes sem namorado.

E sabe por que elas estão sem namorado?

Justamente porque são lindas, inteligentes, divertidas e independentes.

O homem ainda tem medo da mulher com autonomia. Da mulher que não dependa dele financeiramente.

Da mulher que faz piada, e não somente ri das piadas dele.

Da mulher que fala abertamente de sexo.

Da mulher que precisa de sexo e gosta de sexo.

Da mulher que se veste bem e tem ideologia.

Da mulher exigente, que não aceitará cantada com erros de português.

Da mulher educada, que não leva desaforo para casa.

Da mulher resolvida, mãe, viajada, informada, leal aos amigos.

Homem tem medo de alguém que vai desafiá-lo socialmente, intelectualmente, profissionalmente.

Tem medo de perder na conversa (mas amor é perder mesmo, de qualquer jeito).

Homem tem medo de mulher com opinião, que discorde dele na frente dos amigos, na frente da família.

Homem tem medo de ser passado para trás e daí não anda para frente.

Homem ainda deseja Amélia, a figura submissa, obediente, que se esconde no romantismo e dentro de um casamento.

Até quando?

Ouça meu comentário na manhã de quarta-feira (23/1) na Rádio Gaúcha, programa Gaúcha Hoje, apresentado por Antonio Carlos Macedo e Jocimar Farina:


13 comentários:

Lucimari Monteiro disse...

Ah! Carpinejar se todos os homens pensassem - e escrevessem - como você, seríamos mulheres mais realizadas. É incrível como a independência feminina assusta o homem deste século, o que não deveria acontecer, já que se dizem tão "evoluídos".

Controvento-desinventora disse...

Venho ler seu textos e esbarro na epígrafe do seu blog. Daí meus olhos não correm, ficam atracados ao que está escrito: "liberdade é ter um amor pra se prender". Eu não concordo, mas isso me incomoda:Pois, liberdade é tá livre prá amar, não preso a um amor, talvez ao amor.
Quanto ao texto que vim ler sempre maravilhosas as suas perspectivas.

Anônimo disse...

É o que eu me pergunto a cada 15 minutos. . . E tenho observado ainda que, por mais "Amelia" que se deseje ser,seja pela realidade ou fantasia da necessidade e/ou submissão, basta-se ter um pouco de vontade própria para qualquer atividade que se é dispensada como se fosse um guardanapo que foi usado, sujo, e é colocado no lixo. Infelizmente, estamos nesse nível de desvalorização. Abraços da tua fã, Ana Fürst.

... disse...

É verdade. Mas a mulher inteligente mesmo percebe isso e consegue se mostrar romântica e indefesa. Se liberdade é ter um amor para se prender, as mulheres inteligentes procuram esta liberdade. Demonstram fragilidade, mesmo que esta exista somente enquanto seca o esmalte.

Gabriela Castro disse...

Até quando?

Maria Helena disse...

Concordo plenamente com você.
Enquadro-me exatamente no que você escreveu. Pior é que ainda tenho que encontrar resposta quando me perguntam por que estou sozinha!
A resposta você deu!

Caroool disse...

Nunca tive nem tenho o menor problema pra arrumar namorado, e sou linda, inteligente, divertida e independente. E não tenho que me fazer de submissa. Vulnerável todos nós somos, e isso que temos que perder o medo de mostrar.

Enfim, acho que esse discurso já está batido, e que há vários que apreciam e inclusive preferem a mulher que não age como se estivesse nos anos 50. Digo por experiência própria.

Anônimo disse...

Não concordo... esse discurso é velho e já não cola mais.. mas ainda é usado como argumento pra deixar as mulheres que estão solteiras (por opção ou não) com uma boa justificativa...
Honestamente, eu sou uma pessoa de personalidade, que exponho todas as minhas opiniões, independente e bonita, e nunca tive problema pra arrumar namorado.. a questão está em como a mulher usa sua independência.. conheço muitas mulheres lindas, inteligentes e bem-sucedidas que sofrem do mal de um extremismo tremendo.. acham que hoje em dia, independência é mostrar pro homem que não precisa dele pra nada... só pro sexo (e olhe lá) achando que assim vão ser mais valorizadas (pobre engano), qd na verdade muitas delas são bem carentes... ... quem é que gosta de se sentir descartável? enfim, acho que esse tipo de texto, de discurso ultrapassado, não contribui em nada para a melhora dos relacionamentos..

Isadora Pacheco disse...

Adorei o texto. Em momento algum o Carpinejar fala que as mulheres bonitas, inteligentes e independentes tem dificuldades para achar namorados, ele só expõe o fato de que os homens ainda se assustam com estas mulheres, na maioria se sentem inseguros ao lado de uma mulher com personalidade e bonita.

Laís Almeida disse...

Concordo com o texto, concordo com alguns comentários que descordam do texto.
No final das contas eu acho que o que falta é ceder.
Raros homens sabem o que é isso e a mulher não aguenta mais isso.
No final das contas ficam os dois sem dar o braço a torcer para o amor.

Anônimo disse...

Os estereotipados "machos" de personalidade vulgar e oportunistas tem sim dificuldade de conquistar certas mulheres com seus velhos discursos de predador dominante. Agora "Homens" de verdade não tem medo de mulher independente, muito pelo contrário! Por que já amadureceram pra ideia que compartilhar espaços, projetos e sonhos em um romance de compromisso. Agora o problema de verdade é infelizmente O MEDO dessas novas mulheres "pai-mãe" de família, que de tanto concorrerem e correrem pra alcançar uma posição de destaque no mundo masculino, tornaram-se seletivas versões de "machistas" de saia! Passam a pensar que não precisam de ninguém e que podem comprar tudo e orgulhosamente descartar ao seu bel prazer e status social. Daí padecem a cruz de sua arrogância pseudo autossuficientes. É bom lembrar que quanto mais alto o cume, mais frio e mais rarefeito torna-se o ar. Exemplo deste tipo de "Luluzinhas poderosas e miseravelmente solitárias no meio do Clube do Bolinha" é que não faltam. Todos os problemas tem dois lados e o mesmo eixo condutor, o medo.

Forte abraço das Minas Gerais!

Monsyerrá Batista

Rodrigo disse...

Devo concordar com o primeiro comentário, que infelizmente ficou anônimo. Poderia falar mais aqui sobre o assunto, mas a Fernanda Mello já disse tudo: http://www.youtube.com/watch?v=melR4_Fp9iU

Marisa Diniz disse...

Não te conheço, mas você me descreveu perfeitamente.
Parabéns pelo trabalho e sucesso!