domingo, 27 de janeiro de 2013

A MAIOR TRAGÉDIA DE NOSSAS VIDAS

 
Morri em Santa Maria hoje. Quem não morreu? Morri na Rua dos Andradas, 1925. Numa ladeira encrespada de fumaça.
 
A fumaça nunca foi tão negra no Rio Grande do Sul. Nunca uma nuvem foi tão nefasta.
 
Nem as tempestades mais mórbidas e elétricas desejam sua companhia. Seguirá sozinha, avulsa, página arrancada de um mapa.
 
A fumaça corrompeu o céu para sempre. O azul é cinza, anoitecemos em 27 de janeiro de 2013.
 
As chamas se acalmaram às 5h30, mas a morte nunca mais será controlada.
 
Morri porque tenho uma filha adolescente que demora a voltar para casa.
 
Morri porque já entrei em uma boate pensando como sairia dali em caso de incêndio.
 
Morri porque prefiro ficar perto do palco para ouvir melhor a banda.
 
Morri porque já confundi a porta de banheiro com a de emergência.

Morri porque jamais o fogo pede desculpas quando passa.
 
Morri porque já fui de algum jeito todos que morreram.
 
Morri sufocado de excesso de morte; como acordar de novo?
 
O prédio não aterrissou da manhã, como um avião desgovernado na pista.
 
A saída era uma só e o medo vinha de todos os lados.

Os adolescentes não vão acordar na hora do almoço. Não vão se lembrar de nada. Ou entender como se distanciaram de repente do futuro.

Mais de duzentos e quarenta jovens sem o último beijo da mãe, do pai, dos irmãos.

Os telefones ainda tocam no peito das vítimas estendidas no Ginásio Municipal.
 
As famílias ainda procuram suas crianças. As crianças universitárias estão eternamente no silencioso.
 
Ninguém tem coragem de atender e avisar o que aconteceu.

As palavras perderam o sentido.

57 comentários:

Jane disse...

Morri qdo meu filho morreu há 1 ano e 8 meses.Viver, perdeu a graça.Lindo texto de amor ao próximo.beijo

Sil disse...

Lindo texto.

O Feiticeiro disse...

Simplesmente sem palavras. Belo texto, e forças as famílias, amigos e todos que sentem esta dor.

Anônimo disse...

É tão triste isso que aconteceu (e está acontecendo) que não entendo como pode ter gente tirando proveito próprio disso:
Evangélicos condenando festas e bebidas e dizendo que se os jovens estivesse rezando isso não teria acontecido.
Comediantes fazendo piada com o fato?!?!
Sensacionalistas compartilhando videos e fotos dos mortos, alimentando a exploração da tragédia, como se já não bastasse ter que ver isso nos canais de TV;

E o pior: Um escritor fazendo crônica-poetizada para lamentar o ocorrido?!?! Poesia numa hora dessas?!

Meu desprezo a todos vocês que perderam a noção!

Carla disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Carla disse...

Texto fabuloso. Emocionei-me profundamente. Não há palavras para consolar mas há palavras que podem colocar cada um de nós no sofrimento de cada familiar que vive esse momento, aproximando, com isso, a todos nós.

Sheila disse...

Fabrício,

Você falou por todos nós hoje :(

Abs.

Cleder Zvonzik disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Cleder Zvonzik disse...

O que dizer ou sentir em momentos como esse. Tragédia real, sem alegoria. A imprensa marrom faz sua parte, e transforma a dor de muitos em circo (enquanto o pão é servido de graça nos "reality shows" da vida de invenção), fazendo com que a notícia se torne um espetáculo. Transformando em dramaturgia o que de fato é drama, é sofrimento, é dor. O que dizer ou sentir; a voz se faz muda, o sentir inefável. Só o silêncio responde. Todos sentimos muito! E sim, morremos um tanto juntos. Todos nós.

alb disse...

Li seu belo texto no blog de O Globo. Parabéns!

Resumiu tudo o que eu senti no dia de hoje.

Mauro Halfeld


Tanise Cristovão disse...

Texto maravilhoso...não poderia dizer mais... falou por todos nós hoje, que estamos tão chocados que nem sabemos o que falar.

GABRIELA OTTO disse...

As palavras realmente perderam o sentido, mas você reproduziu o sentimento de muitos, aquilo que não conseguíamos explicar. Parabéns por mais um texto bem escrito e emocionante. Abs,

Amara Mourige disse...

Texto muito emocionante,parabéns!
Que Deus de muita força para essas famílias.
Um abraço,Amara

Alex Vitola disse...

Simplesmente perfeito ..

Ricardo Mainieri disse...

Um texto pintado com as tintas da dor e da perplexidade.
É preciso investigações sérias sobre o caso e a conscientização de que o grande evento não é apenas fonte de lucros para quem o promove. É preciso tomar todas as medidas para que tudo ocorra de modo profissional e sem nenhum dano ao participante.

Daniel Silveira disse...

Um acaso insolente.
Um transtorno diante das cores da transmitidas pela dor.
Cancerígena dor.
A poesia dever ser escrita.
Ouvem-se as vozes, os gritos, as saudades...
Sentem-se as lágrimas enegrecidas pela fumaça que frente à morte vestida de cinza, nas linhas do medo, impediu ao amor a sua entrada.
Não voltar para casa e não sentir o cheiro do amor.
Dor.

Vaninha Goncalves Nascimento disse...

Muito triste ter que ouvir críticas a quem quer que seja nesse momento né gente, os "evangélicos" que criticam sem noção, não são Evangélicos e qualquer outro que se diz "cristão" e fala besteira não é verdadeiramente cristão, se esses jovens todos estivessem numa igreja católica, num culto evangélico, num show cristão, onde não há bebida alcoólica, cigarro ou qualquer tipo de droga de droga, teriam morrido da mesma forma, então não venham dizer que se estivessem rezando estariam livres dessa tragédia, pq não estariam, há um tempo determinado para cada coisa e há fatalidades que não se tem como prever ou as vezes evitar que aconteçam. Agora é hora de unirmos nossos corações ao dos pais e mães que perderam seus filhinhos e nunca mais os verão... que Deus console seus corações... Vaninha.

Isloany Machado disse...

Pobre "Anônimo" que condenou a escrita de uma crônica sobre o ocorrido. O que mais se pode dizer diante da tragédia de existir? A arte é a única coisa que pode nos salvar da morte, do desamparo.

Tina Bau Couto disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Anna disse...

sim anominimo, poesia numa hora dessas. poesia sempre. por que a poesia, com seu poder de sintetizar sentimentos, nos ajuda a entede-los, saboreá-los, quando bons, ou simplesmente suportá-los quando ruins.

Tina Bau Couto disse...

Com o perdão do comentário e posterior exclusão, compartilho uma oração de Gióia Junior que li em um blog amigo hoje. Uma oração além de qual seja a religião, para quem é mãe ou pai, para o sentimento de tristeza e pensamentos sombrios que temos ao ver tragédias como essa.
Para que todos os dias em que filhos saiam, voltem sãs e salvos.

Oração da maçaneta

Não há mais bela música
que o ruído da maçaneta da porta
quando meu filho volta para casa.
Volta da rua, da vasta noite,
da madrugada de estranhas vozes,
e o ruído da maçaneta
e o gemer do trinco,
o bater da porta que novamente se fecha,
o tilintar inconfundível do molho de chaves
são um doce acalanto,
uma suave cantiga de ninar.
Só assim fecho os olhos,
posso afinal dormir e descansar.
Oh! a longa espera,
a negra ausência,
as histórias de acidentes e assaltos
que só a noite como ninguém sabe contar!
Oh! os presságios e os pesadelos,
o eco dos passos nas calçadas,
a voz dos bêbados na rua
e o longo apito do guarda
medindo a madrugada,
e os cães uivando na distância
e o grito lancinante da ambulância!
E o coração descompassado a pressentir
e a martelar
na arritmia do relógio do meu quarto
esquadrinhando a noite e seus mistérios
Nisso, na sala que se cala, estala
a gargalhada jovem
da maçaneta que canta
a festiva cantiga do retorno.
E sua voz engole a noite imensa
com todos os ruídos secundários.
-Oh! os címbalos do trinco
e os clarins da porta que se escancara
e os guizos das muitas chaves que se abraçam
e o festival dos passos que ganham a escada!
Nem as vozes da orquestra
e o tilintar de copos
e a mansa canção da chuva no telhado
podem sequer se comparar
ao som da maçaneta que sorri
quando meu filho volta.
Que ele retorne sempre são e salvo,
marinheiro depois da tempestade
a sorrir e a cantar.
E que na porta a maçaneta cante
a festiva canção do seu retorno
que soa para mim
como suave cantiga de ninar.
Só assim, só assim meu coração se aquieta,
posso afinal dormir e descansar.

Em: http://www.mariacininha.com/2013/01/canto-dos-anjos-e-suas-harpas.html

Joao Caetano disse...

Você não morreu. Quem morreu foram jovens inocentes. O que morreu foi sua dignidade diante desse oportunismo barato. E ainda em tempo: seu texto é sofrível, previsível. Deixa pra lá.

Joselira disse...

As interpretações são diversas, dependendo do ponto de vista de cada um.
Aquilo que agrada a uns, podem desagradar a outros. O que não se pode negar é que a poesia tem o poder de atingir a todos!

Suyene Carvalho disse...

O programa da Globo News "Estúdio i" acabou de encerrar com o seu texto... Perfeito, parabéns pela grande sensibilidade. Todos nós morremos um pouco ontem...

Srta. Vihh disse...

Arrepiou-me, simples assim.
triste demais tudo isso.
uma tristeza a queimar dentro da gente também, sem fim.

Anônimo disse...

Nem tudo é sensacionalismo, o Brasil esta com a voz embargada, sem saber o que falar.
Um poema que tenta dar voz ao choro de um país, não é exploração.
Se a Arte se emudacer em momentos de dor, o que dará voz ao planto de um povo?

Ana Domingues disse...

Leveza, compaixão e lágrimas. O que nos resta é orar e enviar boas vibrações para os que se foram, para os profissionais que trabalharam nessa noite tão perturbadora e, principalmente, para os pais e familiares dos anjos que tiveram sua caminhada interrompida.

Texto lindo, Fabricio!

Anônimo disse...

O poeta traduz a dor e põe em palavras o sentimento. Não importa depois quem o escreveu e em que momento foi. Ele é o porta voz de toda essa dor. E é isso que vale a pena...

Ricardo RicBrSp disse...

Blz Fabrício, gostei deste texto, assisti vc declamando na TV, vim roubartilhar, e aproveitando a viagem estou m conectando (link), p/ acompanhar. Acabei fazendo 2 posts no meu blog, indicando a fonte, claro.

Patricia disse...

Obrigada por compartilhar essa poesia conosco.
Simplismente Perfeita!!!!!

Anônimo disse...

Belissimo parabens!!!
Oportunismo? Nao e nada disso! A arte traduz o sentimento daquele que a produz e de tda uma geracao. N e oportunismo algum expressas por versos e rimas aquilo que toca o coracao.J. caetano, talvez vc nao soube interpretar que por tras das palavras do autor ha um sentimento, uma dor de tds nos. Nao julgue! Tal poema traduz a dor que o poeta sentiu e sente diante de tal tragedia e, que ele consegui transformar em palavras o turbilhao dentro de si. Isso e arte! Nao pediu nada em troca. Oh! Se vc compara arte com oportunismo e melhor dar p famoso "look around" e percebera que por tras de grandes cancoes, textos e pinturas ha uma fato que inspirou o artista, fato esse que nem sempre e de alegria. E que tais criacoes nao se tornarem belas por , como vc diz : " aproveitarem da tragedia" mas sim por conseguirem expressar, em uma hora que ngm mais consegue, aquilo q TODOS sentem, por serem a voz no silencio, isso torna esses autores unicos e diferentes. Ex: u2- musica Pride de enorme sucesso, inspirada no assassinato do grande lider do movimento negro martin luther king. Musica sound of silence- simon e garfunkel gravada logo apos o assassinato de John f kennedy. Musica sunday bloody sunday que destaca o incidente do domindo sangrento, onde civis foram mortos na irlanda do norte. Calice de Chico Buarque que traduz ps tempos duros e de tortura nos tempos da ditadura. A arte é inspirada na vida, ate msm em seus dias mais obscuros.

ZUKA CORTES disse...

Disse tudo meu caro, morremos junto com nossos amigos naquele incêndio, morremos junto com as amigas que depois de se arrumarem de se maquiarem foram pra lá felizes...e morreremos mais a cada festa em que eles não estiverem, a cada carnaval que não estarão..

Alessandra Cavazza disse...

Carpinejar, ainda continuo sem palavras. E agora depois de ler esta belissima poesia, fiquei mais ainda emocionada. Travada na garganta. Com o peito apertado e me perguntando: E SE FOSSE COMIGO??? Triste! Aconteceu uma tragedia parecida aqui em BH em 2001 na casa de shows canecao mineiro. O incendio que se iniciou apos queima de fogos no palco durante uma apresentacao. O estabelecimento nao tinha alvara de funcionamento. 300 pessoas ficaram feridas e 7 pessoas morreram. Completou-se 10 anos em 24/11/2011 que esta tragedia aconteceu.

Aline Carvalho disse...

Você está mais do que certo, Fabrício.
Expressar sua tristeza, sua indignação não é errado, diante dessa tragédia que para sempre irá marcar nossas vidas. Eu fiz o mesmo.

Anônimo disse...

Fabrício lindas palavras!
Você colocou em palavras a dor, a angústia de todos!
Parabéns

Anônimo disse...

De passagem ouvi sua mensagem no programa da Fátima e senti vontade de ver ou ouvir de novo. E lendo com calma em seu blog , lendo cada detalhe realmente me emocionem.
Você colocou em palavras o que eu to sentindo, sou mãe a 2 meses e não sei nem o que faria nessa situação .
Continue sempre com suas mensagens e não ignore nem ouça todas as críticas negativas, pois a maioria pode não ser relevante mas sempre terá alguma que te trará algo proveitoso .

Andy disse...

Muito triste o que aconteceu. O Brasil está de luto. Espero que os responsáveis sejam punidos, e também quero acreditar que, a partir desta tragédia, as fiscalizações nas boates hoje existentes sejam mais rigorosas. Mas............ até quando?!
Um belo texto, com os sentimentos de todos nós, brasileiros.

Muita força para as famílias.

Flavinha disse...

Seu poema é a tradução genuína do nosso sentimento diante de tamanha tragédia!!!

Anônimo disse...

Parabéns por encontrar as palavras para o que todos sentimos quando nenhuma palavra consegue mais sair da boca. É uma dor que não tem fim para todo nosso país.

Joseane Costa de Andrade disse...

Você disse tudo que gostaríamos de expressar, belas palavras, texto incrível! LUTO por Santa Maria...

Anônimo disse...

Poesia muito bonita, acho que agora só o que nos queremos é justiça, pois não adianta a mídia só ficar nas críticas e depois de um tempo esquecer, porque os corações destes pais, familiares e amigos não vão esquecer a dor de perder um ente querido que se foi, devido a uma imprudência de diversas pessoas e embora isso seja triste, vivemos em um país que precisa morrer pessoas para que se tome alguma iniciativa. Espero que está tragédia sirva de exemplo para nossos governantes, e que eles possam mudar as leis e fiscalizar melhor os locais onde vamos para nos divertir e não para acabarmos saindo de la mortos, ao invés de felizes.

Márcia disse...


Essa tragédia nos deixa perplexos e consternados. Até autoridades governamentais ficam despertas e anunciam que irão fazer aquilo que devem fazer rotineiramente, cumprir a Lei.

Karine Melo disse...

Adorei seu texto, muito realista e sensível. Compartilhei via Facebook.

Caetité disse...

Simplesmente perfeito e muito forte.Só quem passa por situações parecidas vai entender o que cada palavra desse texto significa(dor, lágrimas,isônia, saudades...) são tantos sentimentos que se tornam confusos ...

Leila Rosa Machado disse...

Lindo! Sensível e humano! Parabéns Fabrício, conseguiu traduzir o intraduzível. Certamente morri junto com você, e com todos os jovens que ali perderam suas vidas. E que a paz acolha as almas e mentes de seus familiares e amigos. Beijos!

Rafael disse...

Parabéns, teu poema, ao contrário do que outros afirmam, transmite a todos a angústia e dor daqueles que não têm o que dizer. Distante de amigos atingidos, sem poder dar um beijo e abraço, não me vejo capaz de ligar, não há o que dizer! Parabéns, foste muito feliz em tuas palavras!

PS: O Anônimo deve ser desprezado, pois texto sem assinatura, é texto que não representa a opinião de ninguém!

Ana Vicente disse...

Lindo, triste, perfeito! Não tive palavras pra escrever quando me vi na situação de todos os jovens, e lembrei de todas as palavras da minha mãe... agradeci por todas as vezes em que ela rezava enquanto eu saía...
Mas vc falou por mim...

Renata disse...

Fabrício:
Suas palavras traduziram muitos pais e mães que ontem foram os frequentadores de boates e hoje esperam seus filhos quando amanhece... Mas acima de tudo, expressam o que se passou com cada pai e mãe que perdeu um (alguns dois!) filho nesta e em tantas outras tragédias.
Obrigada por sua alma poeta.
Ando em prece por estes que sofrem.

Martha Albuquerque Uchoua disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Martha Albuquerque Uchoua disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Martha Albuquerque Uchoua disse...

Belíssimas palavras Fabrício! Conseguiu de uma forma única, serena e sensível traduzir em palavras todas as palavras que à boca escapavam sem som... Voz do coração, vozes da alma e dos marejar dos olhos. Lindo demais! Que o consolo chegue a todos!!! Beijos e parabéns!

Hemerson Mendes disse...

Caro Carpinejar!
Parabéns pelo texto. Tendo como gatilho inicial o "morri em Santa Maria", escrevi um post, que além de citar e tomar a liberdade de colar o link do teu, no qual centrei-me no matei e sobrevivi. http://hemersonmendes.wordpress.com/2013/01/31/santa-maria-matar-morrer-sobreviver/. Obrigado, Hemerson Mendes

Relam_97 disse...

Simplismente fantástico, não costumo me emocionar com palavras e textos, mas ficou uma otima crônica. Parabéns!

Anônimo disse...

Enquanto lia a lágrima corria no mesmo sentida das vidas que se foram e não mais voltarão. Texto esplêndido. Expressão da alma de país em luto. Tks!

Anônimo disse...

1 ano se passou e esse texto ainda expressa tudo o que sinto, morar em santa maria depois de tudo isso e muito complicado, a vida segue, mas a nuvem de tristeza nunca se desfaz

Ofélia Martins disse...

E dois anos depois, nada de justiça, ainda Brasil!

Solange de Paula disse...

"Perder " um ente querido é como se tirassem uma parte de nós. Nossa familia passa por uma dor dessa. Há um ano perdemos um querido de 19 anos. Rodrigo continua vivo em nossos corações, mas quem o tirou de nós pagará com 2anos e 8 meses em regime semi aberto. Assim como os pais de Santa Maria peço a Deus mais amor por favor.