terça-feira, 3 de maio de 2011

NÃO EXISTE PACIÊNCIA

Arte de Max Ernest

Pode confiar na mulher que nunca joga fora o xampu quando termina. Porque nunca acha que termina.

São vários potes no box do banheiro. Uma milícia de cheiros. A maior parte com um resto luminoso. Alguns virados para facilitar a saída desesperada da fragrância.

* * *

Um homem, diante daquela lágrima de cisne, não teria piedade e colocaria no lixo.

Não sem razão. É uma sobra simbólica que apenas se mexeria colocando água. Uma massa imóvel, que mal treme. O conteúdo não presta nem para dois enxágues. Para chorar um pouco no pulso, depende de tapas na bunda do pote. Todo xampu velho é um bebê nascendo.

* * *

Mas ela não descarta. Pensa que aquilo que não perfuma seus cabelos é ainda capaz de perfumar suas mãos.

Permanece com a esperança de que um dia terá uma emergência e ele será útil. Para seus olhos, nada está inteiramente morto, nada está inteiramente esgotado.

Contribuem para sua crença as brincadeiras de faz de conta na infância, a sopa de folhas e o refrigerante de terra. Não depende de muito para seguir vivendo, pede um mínimo de realidade; acostumada a sempre completar por sua conta.

* * *

Não existe paciência, somente fé. Mais da metade de um marido bom é imaginação feminina.

* * *

A mulher que não joga o xampu fora não jogará nenhum homem fora. A menos que ele esteja seco por dentro, acabado, sem nenhuma emoção para oferecer, consumido pelo silêncio da esponja. Ela eliminará o sujeito de sua vida após várias tentativas, até se convencer de que ele não rende nem mais espuma. Nem mais passado.

* * *

O que me leva a concluir que quem pensa demais não faz, não se arrisca, não se entrega. O pré-requisito é criado para impedir que mudanças aconteçam.

É necessário ser imaturo para amar. É necessário ser imaturo para engravidar. É necessário ser imaturo para juntar as tralhas e pertences, construir uma casa em comum, e seguir ameaçado pelo humor do próximo.

Merece o amor quem trabalha por ele, quem sofre por ele, quem não quis ser mais inteligente do que sensível, quem é absolutamente idiota para sacudir um pote de xampu já findo.





Publicado no jornal Zero Hora
Coluna semanal, p. 2, 3/05/2011
Porto Alegre (RS), Edição N° 16689

36 comentários:

Andréia Cordeiro disse...

seu sabido!

Gabi disse...

isso saiu num jornal? que porcaria de analogia.

diana(B)runa disse...

Porque se houver demais maturidade e inteligência, não há espaço para o amor. É preciso ser idiota para se jogar no abismo que é o desconhecido da outra pessoa. Bobo, louco e infantil, para correr na chuva e bater cabeça com a outra pessoa, ainda mais se for homem. O amor não é fácil, não. Dá trabalho, cansa, enlouquece. Acho que é por isso que os fracos não amam; eles não aguentam a pressão que nos puxa, bruscamente e com força, direto ao peito alheio.

Elisa disse...

Ah, Carpinejar... Se o homem que eu amo pensasse como você, se ele se identificasse com as linhas que vc escreveu... Ele não teria me dado as costas com a desculpa de que eu sou amorosa demais para ele. Muito racional, muito maduro, não poderia mesmo nunca se deixar ser amado e amar. Com tanta maturidade e racionalidade, nunca se daria ao trabalho de sacudir um pote de xampu que não está vazio, mas sim ainda cheio de perfume para brindar um coração que dele se aproxime.
Obrigada pelas suas belas palavras! Vc me faz sentir que não estou sozinha neste mundo.

just KUKY it disse...

Ótimo! Eu tenho coleção de restinhos de hidratante... shampoos geralmente uso até o fim, mesmo sendo péssimo. E sempre faço aquela união do finzinho com água. Pensei que eu fosse sovina, não romântica.

SORTE NO RIO HOJE!

Natalia disse...

Uma nova descoberta apesar de me encontrar inteira no texto...Adoro suas palavras!

Andressa disse...

Lindo demais!

Andressa disse...

Engraçado que as letras que o comentário me exigiu antes de ser publicado foram "C U I D A".

Escritos disse...

Lindo texto!!!

Renata disse...

Delicado e romântico, gostei demais!

Renata de Aragão Lopes disse...

Ops! Meu senso de organização (potes de xampu no lixo) me faz um mulher não confiável???

ૐ 'Priiscylα disse...

Lindo mesmo ! Mas não sou de guardar xampus ;/
kkkkkkk.

CarinA disse...

Descobri hoje que tenho um ídolo que se chama Carpinejar.

Mariane Carolina disse...

A cada texto seu que eu leio fico mais encantada *-* Eu acho que curto demais um pote de xampu... hahahahaha

Gabiii disse...

Meu Deus! Eu tenho mais de 5 vidros de Shampoo com restinho no banheiro!!!
Isso é grave!!
AMo amo amo!

Mel Danda disse...

hehehehehehe... mulheres são movidas por lembranças.. um cheiro no cabelo marca um momento, marca um domingo no sol que ele elogiou meu cabelo depois d'um carinho... terminar o xampu é como se desprender daquele aroma, daquela lembrança...da sensação gostosa de ter sido elogiada.

Rosinha disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Rosinha disse...

Sei bem como é isso.
Conhecedor da alma feminina esse moço.

xero na alma.

Nana Silveira disse...

Parabéns!! Mais que lindo, perfeito.

* Vanessa * disse...

Acho que todo homem que diz não entender uma mulher deveria ler Carpinejar. Aliás, voto pra que seja leitura obrigatória nas escolas!! Porque não tem nada mais triste que um homem que se esconde atrás de seus medos com a desculpa de que as difíceis somos nós. Não existe certo e errado nas relações, elas simplesmente acontecem, e só se tornam "válidas" quando o se permitir ser feliz supera o medo de parecer idiota por amor.

Batom e poesias disse...

Gosto muitíssimo das suas crônicas. Você é espirituoso e divertido.

abç
Rossana

Anônimo disse...

Que texto tosco ! a Renata ali falou tudo.

Analogia de merda! Esta mais pra pessoa maluca do que romântica quem fica guardando restos. são futuras protagonistas daqueles programas sobre pessoas que acumulam lixo.Não li seus outros trabalhos , entao não irei dar pitaco. mas este aí é uma grande porcaria.
Espero que receba bem as criticas.. afinal quem publica sua obra em qualquer midia deve estar preparado pra ouvir de tudo.

Michelle Crístal disse...

Seria bom se todo homem tivessem os olhos deles em você!!!
Amei, ri , saltitei!

Andréa Fernanda disse...

Antes de tuudo, quero deixar claro....muito claro que eu adoro todos os seus textos......(até posto uns, com os créditos devido (claro e sempre!!!) mas nesse não vi o nexo entre ser imaturo e guardar frascos de xampu vazios. Ou uma coisa não tem nada a ver com outra?

Ao contrário de você, eu acho que quase todo mundo merece sim o amor.
E outra, acho que os sensíveis merecem sim o amor, mas não esse amor que a gente vê por ai.
Os sensíveis são os que percebem as misérias do amor atual e, apesar de merecer muiiito ser amado, não consegue encontrar tal amor.

Tem quer mesmo muito imaturo pra achar que o amor atual é o ideal....mas nem os imaturos merecem esse sentimento que anda rolando por aí....

Bjus

Elídia :) disse...

Olho cheio d'água quando li isso hj, será porque minha estante no banheiro eh cheia de frascos vazios? rsrs

Alinhavando idéias disse...

Ai que delícia de texto Fabro! Eu já disse e repito, vc é o cara, cara! beijo!

Katia Moraes disse...

: )))

Regina disse...

Comecei a conhecer seu trabalho através da revista Cameron.
Não sou leitora assídua da ZH, mas ontem, por acaso a comprei e vi que era tua estréia. Já na primeira frase pensei: " É comigo que ele está falando". Não que eu guarde "muito" tempo um pote de shampoo, mas que vou colocando água en quanto dá, isso vou!! E cada vez que coloco um fora, fico pensando se não dá para reciclar aquele pote.
Parabéns pelo texto e pela estréia. Muito sucesso!!
Agora tenho dois motivos para lelr ZH, pois antes era só Marta Medeiros.
Beijos
Regina Freitas

Sandra Lopes disse...

Putz, nunca havia feito tal analogia e não é que é pura verdade. Tenho esta característica só me desapego das embalagens quando não há mais espaço para as que vão chegando. Este texto me deixou em reflexão: além de embalagens de shampus guardo lembranças... é difícil o desapego!

Silvia Barcellos disse...

Carpinejar:
Adoro o que tu escreves! Parece que estou lendo as reflexões de um amigo muito sensível, interessante e inteligente.
Parabéns pelo sucesso!!!

Beijocas

Carlos disse...

Esse tipo de texto sempre terá leitores: mulheres, inseguras, e esse romantismo brega sobre amor e xampu. Elas não são inteligentes, são ingênuas e amorosas.

Jaque disse...

hahahaha as mulheres não são inteligentes... só se for a que está do teu lado Carlos, pra te aguentar!
Texto lindo, assim como todos os que tu escreve! Parabéns pelo teu trabalho Carpinejar.

Cátia disse...

Sensibilidade é o teu nome.
Quando te leio parece que me conheces....
Continuas assim, a nos encantar.

Michele Leite disse...

Identificação total! :P

sil disse...

AMEI!

Miguel Lopes disse...

Carpinejar; Deus nos proteja da ignorância do gênero... texto lindo! Abraço